Sempre que quisermos dizer “um/uma”, usaremos “a” ou “an”. Este é o que chamamos de ‘artigo indefinido’, porque não define algo específico, ou seja, ‘qualquer um’ serve. Por exemplo: está calor numa sala e gostaríamos de abrir uma das janelas; qualquer janela serve, desde que seja aberta, não definimos uma única janela a ser aberta em especial. Podemos dizer: Let’s open a window… it’s hot in here. (Vamos abrir uma janela… está calor aqui dentro.)

Porém, se quisermos dizer “o/a/os/as”, usaremos “the”. Este é o que chamamos de ‘artigo definido’, porque define algo especifico, ou seja, nos referimos a uma determinada coisa em particular. Aproveitando o exemplo acima, imaginemos agora que há apenas uma janela na sala. Nesse caso, pediremos para abrir a janela, claramente definida. Podemos, assim, dizer:  Let’s open the window… it’s hot in here. (Vamos abrir a janela… está calor aqui dentro.)

 

Quando usar “a” e quando usar “an”

O artigo “a” vem antes de sons de consoante. Por exemplo: a book, a hotel, a pen.

O artigo “an” vem antes de sons de vogal. Por exemplo: an umbrela, an apple, an hour.

Note que falamos em “sons” de vogais ou consoantes, ou seja, não nos referimos necessariamente à primeira letra que inicia a palavra a seguinte. Um exemplo disso é “hour”, que começa com a consoante “h”, mas como esta não é pronunciada, o primeiro som que ouvimos é o da letra “o” (pronunciamos “hour” como “auãr”).

 

Singular e Plural

Note que o artigo “a/an” é sempre singular, diferentemente do português, onde temos ‘uns e umas’. Já o artigo “the” pode ser tanto usado no singular como no plural. Nenhum dos artigos tem gênero masculino ou feminino. Veja exemplos:

  • I have a pen in my bag. (Tenho uma caneta na minha bolsa.)
  • The book you gave me is great! (O livro que você me deu é ótimo!)
  • The books you gave are great! (Os livros que você me deu são ótimos!)

 

Substantivos contáveis e incontáveis e o uso de “a/an”

Em inglês, diferentemente do português, não usamos o artigo ‘um/uma’ (a/an) quando nos referimos a coisas que não consideramos contáveis em inglês. É importante compreender este ponto, pois nem sempre podemos usar “um/uma” em inglês como faríamos em português. Não podemos, por exemplo, dizer “uma água” (Aceita uma água?). Quando algo é visto como um ‘bloco/um montante’, não o consideramos singular, portanto, não o contamos. No caso da palavra “water” (“água”), trata-se de líquido, que não pode ser contado. O que podemos contar são copos, litros, garrafas, mas não o líquido em si. O mesmo ocorre com outras palavras, como “time” (“tempo” – contamos as horas, os minutos, os segundos, mas a ideia geral de tempo é abstrata: temos ‘muito tempo’ ou ‘pouco tempo’) ou “money” (“dinheiro” – contamos as notas, as moedas, os centavos, mas a ideia geral de dinheiro é abstrata, genérica: temos dinheiro ou não temos dinheiro). Nesses casos, costumamos usar a palavra “some” em vez de “a/an”. Veja exemplos:

  • Would you like some water? (Aceita/você gostaria de tomar água?)
  • Give me some time please. (Me dê um tempo, por favor.)
  • Give him some money for the bus. (Dê a ele algum dinheiro para o ônibus.)

Porém, se pudermos contar unidades de algo, podemos usar “a/an”:

  • Would you like a glass of water? (Você gostaria de tomar um copo de água?)
  • Let’s wait for an hour. (Vamos esperar uma hora.)
  • Give him a dollar. (Dê a ele um dólar.)

 

 “The” – A regra dos nomes próprios

O artigo “the” é muito mais simples de usar, pois serve tanto para plural quanto singular, não requer análise sobre o substantivo ser contável ou incontável ou sobre qual o som da palavra seguinte. No entanto, o artigo “the” tem sua particularidade: não é usado antes de nomes próprios (de pessoas, lugares, etc.), diferentemente do que fazemos em português. Ou seja, se na nossa língua dizemos: “O João está aqui.”, em inglês não dizemos: “The João is here.”, pois João é um nome próprio e, assim, não é precedido de “the”. O correto, então, seria dizer: “João is here.” (O João está aqui.)

A exceção é para nomes de lugares que sejam plurais, como “The USA”, “The Netherlands”, “The United Kingdom”. Se observarmos, veremos que “USA” significa “Estados Unidos da América”, ou seja, são vários estados (= plural). O mesmo para “Netherlands” (Países Baixos) e “United Kingdom” (Reino Unido).

“The” também não é usado quando nos referimos a um grupo em geral, sem especificar mais detalhes. Por exemplo, dizemos: “People want to be happy.” (As pessoas querem ser felizes.) Nesse caso, nos referimos a algumas pessoas em particular, e sim a todas elas, em geral. Outros exemplos nesse sentido:

  • Life is hard. (A vida é difícil.) – E não “The life…”, pois nos referimos à vida em geral, e não apenas a um tipo específico de vida.
  • Dogs are very affectionate animals. (Os cães são animais muito afetuosos.) – E não “The dogs…”, pois nos referimos a cachorros em geral, enquanto espécie, e não a apenas alguns cães em particular.

Compare:

  • The dogs from that Pet Shop aren’t well treated. (Os cachorros daquela Pet Shop não são bem tratados.) – Aqui, nos referimos a um grupo particular de cães, que são os de uma Pet Shop específica.

 

See you soon!

Oldcastle School of English

Barueri e Osasco – SP